SINPROESTE-Campanha salarial – União é imprescindível para alcançar direitos

A direção do Sinproeste (Sindicato dos Professores do Oeste de Santa Catarina) iniciou o processo de negociação coletiva da campanha salarial 2020 hoje, dia 18 de fevereiro. As assembleias com a categoria foram realizadas no final do ano passado. A categoria pede reajuste no valor da inflação do período mais 5% de ganho real.

De acordo como IBGE, a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou o ano de 2019 em 4,31%. O salário dos professores é reajustado, entretanto, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de março a fevereiro do ano seguinte. Portanto, não se tem o valor ainda.

De acordo com levantamento realizado pelo sindicato, o reajuste das mensalidades nas escolas universidades da região ficou entre 5% e 8%.

Piso nacional X rede privada.

           O piso salarial dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira foi reajustado em 12,84% em 2020, passando para R$ 2.886,24.

           Hoje, um professor da rede privada do ensino fundamental do 6º ao 9º ano recebe R$ 11,92 a hora. Numa jornada de 40 horas semanais seu salário será de R$2.503,20. Para equiparar o piso nacional do magistério, o reajuste teria que ser de 13,27%.

Se analisarmos o salário de um professor do ensino fundamental do 1º ao 5º ano a diferença é ainda maior, pois ele recebe R$ 8,29 a hora aula. Por 40h semanais, seu salário é de R$ 1.740,90. Para os professores dos anos iniciais terem seu salário equiparado ao piso nacional seria necessário um reajuste de 39,68%. Além dessa diferença, os professores da rede pública possui um terço dessa jornada de hora atividade, que não é paga na rede privada.

           “A educação privada é muito valorizada pela nossa sociedade, mas infelizmente os estabelecimentos de ensinam não valorizam o professor na mesma proporção”,comenta o presidente do Sinproeste, professor Milton Amador.